Qual o melhor capim para o pastejo de ovinos no nordeste?

05/05/2018 11:31

Por José Pinsetta

Engenheiro Agrônomo

Raca Santa Ines PastejandoNos últimos anos o interesse pela criação de ovinos tem crescido no nordeste. A raça Santa Inês se destaca pela preferência entre produtores. A região Nordeste do Brasil é conhecida por apresentar um clima quente e seco na maior parte do ano, o que restringe a produção de algumas forrageiras. Por isso, é ideal que o produtor saiba escolher entre as opções que mais se adaptam às condições do semiárido brasileiro. Vejamos algumas opções:

Capim Aruanã

É uma gramínea de nome científico Panicum maximum cv Aruanã, muito utilizada para pastejo de ovinos. É um cultivar obtido através de sementes vindas da África, apresentando boa resistência a regiões de baixa pluviosidade. Como características desta cultivar podemos citar:

  • apresenta porte médio;
  • o perfilhamento é rápido;
  • proporciona uma excelente cobertura da área de pasto;
  • pode ser cultivado por sementes, o que gera menores custos de implantação e tem alta aceitação pelos animais.

Na semeadura, é recomendada a utilização de 4 a 10 kg/ha de sementes, conforme o padrão adquirido, cobertas a uma profundidade de 2 a 4 cm, empregando-se um rolo compactador para melhorar a germinação.

Para o pastejo, é recomendada uma altura de 30 a 40 cm para um melhor desempenho e otimização da produtividade animal, e também para garantir a persistência da pastagem. No que se refere a taxa de lotação, o capim Aruanã suporta cerca de 35 cabeças de ovinos/ha/ano, o que é considerado alto para a categoria, quando muitos capins suportam no máximo 20 cabeças/ha/ano.

Capim BRS Tamani

É um cultivar da espécie Panicum maximum que apresenta boa adaptabilidade ao semiárido. É uma planta de porte baixo, com elevada produção de folhas de excelente valor nutritivo, proporcionando uma boa cobertura do solo. Seu manejo é relativamente fácil e apresenta resistência às cigarrinhas das pastagens. Pode produzir até 15 toneladas/ha de matéria seca, o que é considerado excelente. Sua capacidade de rebrotar é muito boa e bastante tolerante ao pisoteio.

Na semeadura recomenda-se o uso de 4 a 10 kg/ha de sementes, conforme o padrão adquirido, e uma profundidade de plantio de 2,5 a 5 cm com posterior incorporação das mesmas, empregando-se gradagem leve fechada ou preferencialmente um rolo compactador.

No manejo da pastagem, o mais indicado é o pastejo rotacionado adotando-se uma altura de saída dos animais de 20-25 cm e período de descanso de no máximo 28 dias na época das águas.

Capim Vaquero

O capim Vaquero faz parte do grupo dos capins Cynodons, como a grama Estrela e os Tiftons. Porém é mais vantajoso por apresentar um custo menor de implantação da pastagem e maior rapidez na produção. É um capim de dupla aptidão, podendo ser usado tanto para a produção de feno como para pastejo de rebanho.

É uma planta de crescimento rasteiro que possui folhas curtas e talo estreito. Sua produção pode chegar a 16 a 18 toneladas de massa fresca/ha/ano, podendo suportar até 8 UA/ha/ano. Responde muito bem a adubação nitrogenada e com qualidade nutritiva bastante boa fornece de 15 a 20% de proteína bruta.

O plantio pode ser realizado também por sementes, diferentemente de outros Cynodons que são multiplicados por mudas. Isso faz com que o custo de formação da pastagem seja menor. Na semeadura a lanço empregam-se de 10 a 12 kg de sementes/ha, com posterior incorporação das sementes a uma profundidade máxima de 0,5 cm. É bastante vantajoso para produção em áreas de baixa quantidade de chuvas, seu plantio pode ser feito em regiões onde registram-se a partir de 400 mm/ano.

No manejo da pastagem é recomendado uma altura de entrada dos animais de 20 a 25 cm de altura e saída com 10 a 12 cm. É uma planta que suporta bem o pisoteio animal.

Capim Massai

Tem se mostrado como uma boa opção para o cultivo no Semiárido, especialmente para o enriquecimento de pastagens nativas e diferimento, visando sua utilização na época seca devido à elevada quantidade de folhas produzidas em relação aos colmos, boa aceitabilidade e bom valor nutricional.

O plantio é realizado por sementes no início da época chuvosa. O preparo do solo é o mesmo utilizado para a formação de outras pastagens, isto é, aração, gradagem e nivelamento. Recomendam-se, considerando-se os principais padrões comercializados, de 4 a 10 kg/ha de sementes, e a semeadura poderá ser feita a lanço ou em linhas a 20 cm de espaçamento no máximo. A profundidade de semeadura deve ser de 2 cm com ligeira compactação, o que favorece a emergência de plântulas. Um aspecto importante desse capim é a sua resistência à cigarrinha-das-pastagens.

Para todas as gramíneas é importante que sejam adotadas práticas básicas como realizar a análise do solo para verificar a situação da área antes do plantio e posteriormente, fazer a aplicação de calcário e adubo de acordo com as necessidades do solo e do capim escolhido.

Para mais informações sobre essas sementes, acesse capim para ovinos!