Silagem de milho: 9 dicas para produzir com qualidade

23/02/2018 15:12

Silagem MilhoUma das principais preocupações dos pecuaristas é a alimentação dos animais durante a época seca do ano, onde a disponibilidade de pastagens cai consideravelmente. Uma opção para contornar essa dificuldade é a produção de silagem, que consiste em armazenar uma forragem na ausência de ar dentro de silos e conservá-la pelo processo de fermentação que ocorre no seu interior.

Muitas plantas podem ser utilizadas para produção de silagem, no entanto, o milho se destaca por apresentar características como ótimo rendimento de matéria verde, bom valor nutritivo da silagem e, ainda, excelente aceitabilidade pelos animais.

Vejamos alguns tópicos importantes de como fazer silagem de milho de qualidade:

Planejamento

O processo de produção de silagem tem um custo significativo, envolve riscos e requer conhecimento por parte do produtor; por isso, é fundamental o planejamento para minimizar todos os riscos. Deve-se ter em mente e ajustar a quantidade suficiente de equipamentos para a produção de silagem, como tratores, ensiladeiras, silos disponíveis na propriedade, entre outros. É recomendado que todo o maquinário passe por uma manutenção preventiva, algumas semanas antes da produção de silagem.

Uma boa lavoura é a base de tudo

Para se conseguir uma silagem de qualidade é primordial que a lavoura produza dentro de seu potencial. Somente com uma matéria-prima de qualidade é que se produz uma silagem rica em nutrientes e alto valor nutritivo para fornecer ao rebanho. Uma silagem de baixa qualidade resulta em menor consumo pelos animais, com consequente queda na produção de leite e carne.

A escolha do milho ideal

A escolha do híbrido de milho é uma parte importante do processo, pois é ele que vai determinar a capacidade que a planta tem de produzir. O ideal é que o produtor dê preferência aos que produzem bastante grãos, sejam indicados para a região que o produtor está instalado e adequados ao tipo de manejo que se pretende dar à lavoura.

Colheita para ensilagem

Para a colheita do milho para produção de silagem, existe uma faixa de matéria seca (MS) que varia de 30 a 35% que é ideal para a produção e conservação da mesa. Teor de MS inferior a 25% propicia ambiente favorável à proliferação e ao desenvolvimento de bactérias produtoras de ácidos que deixam odores desagradáveis, e também a perdas dos principais nutrientes. A silagem produzida a partir de milho no ponto farináceo-duro resulta em silagem de melhor qualidade, com alto consumo pelos animais e maior valor nutritivo.

Ensiladeiras

Existem diversos tipos de ensiladeiras disponíveis no mercado, cada uma pode ser adaptada para o nível de tecnologia do produtor. Elas tem como vantagens dar mais agilidade à colheita, melhor padronização do corte e economia de mão de obra. Podem sem acopladas e tracionadas pelo trator ou então do tipo automotriz. No caso das automotrizes, são máquinas mais caras e que podem ser contratadas de terceiros somente para a colheita ou se o produtor fizer parte de uma cooperativa que disponha da mesma.

O importante a considerar é que as ensiladeiras devem proporcionar um padrão uniforme do tamanho das partículas da silagem e permitir a quebra dos grãos

Técnicas de ensilagem

Uma silagem de milho de qualidade exige que sejam seguidos o processo de produção correto. Tudo deve ser feito da forma mais rápida possível, da colheita do material até o fechamento do silo. O ideal que as partículas tenham tamanho entre 0,5 e 1 cm para uma melhor qualidade do produto.

Silos mais utilizados

Dois tipos principais de silos são utilizados: tipo trincheira e o de superfície.

O silo trincheira é construído no chão com paredes de alvenaria. Isso permite que a compactação da silagem seja feita de forma mais eficiente e mais rápida, garantindo uma melhor qualidade da silagem e reduzindo as perdas. No entanto, tem um custo maior para sua construção e a desvantagem de ser fixo em uma determinada área da propriedade. Sua dimensão deve ser bem planejada, considerando o tamanho do rebanho que se pretende alimentar e a possibilidade de expansões no futuro.

O silo do tipo superfície é mais barato e podem ser feitos a cada ano em um local diferente da propriedade. Sua desvantagem é que a qualidade da compactação do material é inferior, principalmente nas laterais, resultando em maiores perdas de silagem.

Riscos de contaminação durante o descarregamento

A contaminação da silagem pode ocorrer ainda durante a fase de enchimento do silo. Deve-se atentar para que os tratores que venham do campo não avancem com sua rodas sobre o milho já descarregado no silo. A terra presente nas rodas é carregada de microrganismos que vão deteriorar a silagem, uma vez que o silo for fechado. O ideal é que o produtor reserve um trator exclusivo para a compactação da silagem e que esteja com as rodas limpas.

Compactação e vedação

A compactação do material é feita para retirar todo o ar de dentro do produto. Deve-se espalhar no silo camadas de aproximadamente 20 cm de altura e então emprega-se um trator para compactar o material. Esta etapa é repetida até o enchimento completo do silo. Não é recomendado usar camadas maiores do que 20 cm, pois a silagem não fica bem feita e ocorrem maiores perdas.

Na sequência, é feita a cobertura e vedação do silo, empregando-se lona de polietileno de cerca de 200 micras de espessura. Indica-se usar a lona de dupla face (um lado preto e um branco), deixando-se o lado branco voltado para cima para refletir a luz do sol e diminuir o aquecimento da silagem. A lona deve ser colocada bem ajustada ao material para evitar que forme bolsões de ar entre a lona e a silagem. Ao redor da lona deve ser colocado um terra para garantir a vedação.