Melhores práticas para produção de silagem

25/04/2017 15:09

Com o processo de intensificação e incremento tecnológico nos sistemas de produção pecuária, o principal entrave a ser resolvido é a sazonalidade da produção de forragem. No Brasil, para aumentar a competitividade e a lucratividade da atividade pecuária na época da seca, adota-se a prática de ensilagem de forrageiras. A ensilagem consiste na reserva de material forrageiro a partir de um processo de fermentação (anaeróbia - sem a presença de oxigênio), prioritariamente a fermentação láctica, visando manter ao máximo as qualidades do material ensilado, evitando-se inclusive o apodrecimento do mesmo.

No post de hoje, vamos falar sobre as melhores práticas para produção de silagem. Acompanhe:

Tipos de silo e dimensionamento

Os dois tipos de silo mais utilizados atualmente são o trincheira e o de superfície. O silo trincheira exige mais infraestrutura, tanto em termos de maquinário, quanto de espaço físico e materiais específicos para sua construção. Sua compactação deve resultar em uma densidade de 500 kg de silagem por m³, enquanto que o silo de superfície, que é o mais barato principalmente por não exigir a construção de estrutura específica, deve possuir uma compactação média de 400 kg de silagem por m³.

Produção Silagem

Normalmente, um bovino come de 1,5 a 2,5% do seu peso vivo em matéria seca por dia, somando-se o volumoso e o concentrado. Conforme a quantidade de volumoso a ser servida, calcula-se portanto a quantidade de silagem que será utilizada no período da seca e, consequentemente, o dimensionamento do silo. Neste momento, já define-se também a área que deverá ser cultivada e posteriormente a colhida de determinada forragem para produção da silagem, assim como a quantidade de lona, aditivos e outros que serão necessários. 

Um silo mal dimensionado, tem como consequência vários problemas, que em maior ou menor proporção resultam no insucesso da prática, como, por exemplo, a falta de volumoso resultando na perda de peso e em situações mais drásticas na morte de animais; a necessidade de compra de silagem de terceiros, diminuindo assim o lucro da atividade; a volta dos animais ao pasto antes do mesmo ter atingido a altura de entrada ideal, causando prejuízos a pastagem. Talvez a pior consequência seria a antecipação forçada do abate de animais, animais estes abaixo do seu potencial produtivo máximo por falta basicamente de "comida". 

Apesar da existência de alguns aditivos no mercado, uns bacterianos que tem por objetivo otimizar o processo de fermentação, outros que promovem a redução da umidade na silagem e consequentemente a redução das chances de ataque de fungos, ao consultar a literatura sobre o uso dos mesmos, não há um consenso sobre os reais benefícios de seu uso.

Como garantir o sucesso da silagem?

Um momento crucial para o sucesso da silagem é o ponto de colheita da forrageira que será ensilada, que deve ocorrer quando a concentração de matéria seca estiver entre 30 e 35%. No caso do milho, a determinação do teor de matéria seca pode ser visual (quando metade do grão apresentar coloração branca). Esse momento é considerado o ideal para a colheita, pois é justamente quando se tem a melhor relação produção x sólidos solúveis, propiciando um processo de fermentação adequado, o que facilitará também a compactação do material.

Após a colheita, a forragem deve ser picada. A maneira de se fazer isso depende muito do nível tecnológico da propriedade: pode-se utilizar uma ensiladeira ou mesmo uma picadora estacionária. A forragem deve ser picada de forma mais homogênea possível, para que a área de contato seja semelhante e a fermentação aconteça de forma igual para todos os pedaços - que devem possuir entre 1 e 2 cm. Além disso, as facas do equipamento que for utilizado devem estar bem amoladas para um bom fluxo de forragem, sem embuchamento.

Depois de picada, a silagem deve ser compactada já no local de destino até atingir as densidades adequadas. A compactação possui como função retirar o oxigênio da massa ensilada para que possa ocorrer a fermentação, já que o ambiente anaeróbio promove o desenvolvimento do ácido láctico.

Como Fazer Silagem

Para o processo, o maquinário deve estar limpo para não contaminar a silagem. O silo deve ser dimensionado para que as fatias retiradas diariamente de cima para baixo tenham espessuras maiores do que 20 cm. É preciso evitar, também, a retirada heterogênea da silagem, formando degraus ou escadinhas, pois isto favorece a deposição de agentes contaminantes e umidade, além do maior contato com o ar que interrompe o processo de fermentação anaeróbia.

O silo deve ser bem coberto, depois de compactado, com lona de boa qualidade e vedação segura para impedir a entrada de ar. O tempo de abertura do silo depende da forragem utilizada, mas, em média, deve ser de 15 a 30 dias. É por isso que não se aconselha misturar forragens diferentes em um mesmo silo, pois cada uma tem um tempo específico de fermentação e a junção de várias pode reduzir a qualidade da silagem.

Um silo de qualidade otimiza a lucratividade da atividade pecuária e aumenta o bem-estar dos animais, por isso, invista nesse processo e garanta o que é melhor para o seu gado.

Ficou com alguma dúvida? Escreva pra gente pelos comentários e até a próxima!