Capim Massai: alternativa para a diversificação de pastagens

03/08/2018 16:08

Por José Pinsetta

Engenheiro Agrônomo

Capim MassaiO Panicum maximum cv. massaí é um híbrido obtido pelo cruzamento espontâneo entre as espécies Panicum maximum e Panicum infestum, tendo sua origem na Tanzânia, África.

Tem como característica a formação de touceiras com altura em torno de 60 cm, folhas quebradiças e sem cerosidade. A lâmina foliar apresenta pelos curtos e duros na face superior da folha. O sistema radicular é profundo, permitindo a absorção de água e nutrientes que estão presentes nas camadas mais profundas do solo, permitindo uma boa produção de forragem durante a estação seca do ano. O período de florescimento ocorre na época das chuvas (outubro a maio) com maior intensidade no mês de abril.

Características de produção

A cv. Massai tem produção média de matéria seca de 15,6 t/ha semelhante à cv. Colonião, porém a Massai apresenta porte bem menor que o mesmo, 60 cm contra 150 cm em média, respectivamente. Isso se deve à maior capacidade de produzir folhas em relação aos colmos (30%), e maior rebrota após os cortes (83%). Em termos de concentração de proteína bruta, a cv. Massaí apresenta algo em torno de 13%.

Calagem e adubação

É uma cultivar que exige média a alta fertilidade do solo na implantação, porém é uma das menos exigentes em adubação de manutenção. Tolera bem o alumínio no solo. A adubação e calagem devem ser feitas com base na análise de solo e com o objetivo de elevar a saturação por bases a 45% na camada de 0-20 cm do solo. O fósforo (P) também deve ser aplicado no plantio, pois apresenta baixa mobilidade no solo. As quantidades variam de 4 a 15 mg de P2O5/dm3 de solo. Os teores de potássio devem estar entre 50 a 60 mg/dm3 de K2O.

Plantio

Deve ser realizado no período das chuvas, que geralmente ocorre de outubro a fevereiro, preferencialmente entre novembro e início de janeiro. O solo pode ser preparado de forma convencional, com aração e gradagem. A taxa de semeadura recomendada varia conforme o padrão das sementes, ou seja, se convencionais ou revestidas, sendo em média de 10 kg por hectare no sistema de semeadura a lanço ou com o plantio em linha. Neste caso, o espaçamento entrelinhas não deve ultrapassar 20 cm e profundidade de semeadura de no máximo 2 cm. Em seguida deve ser feita uma leve compactação do solo para favorecer a germinação das sementes.

O capim Massai também por ser utilizado em consorciação com leguminosas. Estudo realizado em consórcio com amendoim forrageiro, mostrou aumento de 31% na produtividade de forragem após 16 semanas de crescimento no período chuvoso quando comparada com o capim Massai isolado.

Resistência a pragas

O capim Massai tem uma característica importante que é a resistência à cigarrinha das pastagens, espécie Notozulia entreriana. Verificou-se um nível de sobrevivência menor e longos períodos na fase de ninfa, o que indica que é uma planta pouco adequada para o inseto.

Manejo da pastagem

Recomenda-se realizar adubação de manutenção anualmente com cerca de 200 kg de fórmula N-P-K 0-20-20, ou equivalente, e 50 kg a de 150 kg de N/ha, conforme o nível tecnológico da propriedade. Deve-se alternar as fontes de N entre uréia e sulfato de amônio. A cada 2 anos recomenda-se a aplicação de 2 t/ha de calcário dolomítico para adequação da acidez do solo.

No sistema de pastejo rotacionado, utiliza-se um período de pastejo de 7 dias e um período de descanso de 35 dias. No entanto, como o Massai apresenta velocidade de rebrota elevada, pode ser reduzido o tempo de descanso da pastagem para cerca de 21 a 28 dias, e assim, aproveitar uma melhor qualidade da forrageira. Em geral, as gramíneas tropicais tem a qualidade reduzida conforme se aumenta o período de descanso da pastagem.

Outra recomendação importante é que no manejo de formação da pastagem, deve-se realizar cerca de 60 a 100 dias após a germinação, um pastejo com alta lotação animal para diminuir a concorrência das plantas, eliminar as gemas apicais e assim estimular o perfilhamento da forrageira, o que vai melhorar a cobertura do solo de maneira mais rápida.

Vantagens da forrageira

O capim Massai deve ser considerado na utilização entre os capins da espécie Panicum maximum graças a algumas características que possui, como:

  • melhor cobertura do solo entre as cultivares de Panicum. Apresenta 87% contra 76% da cv. Mombaça;
  • maior tolerância à diminuição da disponibilidade de P no solo, uma vez que apresenta maior persistência nos níveis baixo de fósforo no solo do que outras cultivares;
  • maior produção da parte aérea e raízes em condição de maior concentração de alumínio, pois apresenta sistema radicular mais adaptado às condições de compactação, elevada acidez e déficit hídrico.

Portanto, o Panicum maximum cv. Massai é uma alternativa para a diversificação das pastagens com gramíneas, graças às suas características de resistência à cigarrinha das pastagens e maior persistência em solos com baixos teores de fósforo. Além disso pode ser utilizada em sistema de produção de bovinos, ovinos, caprinos e equinos, sim equinos! Quer saber mais sobre isto? Leia o artigo: Capim Massai, opção de pastagem ou não para a tropa?