Sementes de Capim: 5 dicas para comprar com segurança

06/09/2017 11:49

As sementes, embora representem o item de menor custo em relação aos demais necessários para a formação de uma pastagem, é o insumo mais importante, pois ele é o portador das características da cultivar ou hibrido que se deseja plantar. Com o mercado pecuário voltando a aquecer, a consequência é o aumento da demanda por sementes de capim para reforma ou formação de novas áreas e, infelizmente, o surgimento de oportunistas, que se aproveitam do bom momento e, algumas vezes, da falta de informação do pecuarista ou do agricultor para oferecerem sementes com preços muito “atrativos”, porém, muitas vezes, sem procedência e qualidade duvidosa.

As sementes piratas além de trazerem prejuízos diretos no que se refere a não formação ou má formação da área, ainda representam risco no que se refere a contaminação da mesma por outras espécies, geralmente ervas daninhas de difícil controle.

Independente dos “piratas” de plantão, deve-se ficar atento, também, a algumas empresas que prometem uma coisa e entregam outra. Neste caso, os prejuízos podem ser os mesmos que trazem uma semente pirata.

Devido a isto, relacionamos 5 dicas que o ajudará a tomar a decisão certa quando for realizar as suas compras de sementes de pastagem:

1. Não feche negócio com base apenas no melhor preço

No momento da compra das sementes, não deve ser observado somente o preço/kg. Alguns fatores devem ser considerados. Vejamos:

Grau de Pureza (P%)

Diz respeito à pureza física do lote de sementes. É um indicativo da presença de impurezas como: sementes de outras espécies, de plantas daninhas, materiais inertes como pedras, galhos, etc. É expressa em %.

Germinação (G%)

É a quantidade de sementes que germinam sob condições ambientais adequadas. É expressa em %.

Taxa de semeadura (TS)

É a quantidade de sementes que devem ser aplicadas por hectare para que se obtenha a população de plantas adequada por metro quadrado de área. No cálculo da TS, são levados em consideração o número de sementes puras viáveis (SPV) para determinada forrageira e o VC apresentado por aquele lote de sementes.

Exemplo: uma Braquiária BRS Ipyporã deve ser semeada com 5 kg de SPV/ha e o lote apresenta 60% de Valor Cultural. A taxa de semeadura será: TS = (5 x 100)/ 60 → TS = 8,3 kg/ha. Neste caso, a recomendação é utilizar 8,3 kg de sementes/ha.

Todos os materiais tem uma recomendação específica quanto a SPV/ha. Atualmente, este tipo de informação é facilmente encontrado em sites de empresas de pesquisa idôneas como a Embrapa. Pensando-se em sementes convencionais, tendo essa informação em mãos, fica fácil entender o que se está negociando de fato.

Para ilustrar, vejamos um exemplo onde teoricamente teríamos sementes similares com VC% 50 sendo negociadas, porém, com taxas de semeadura recomendadas diferentes:

Parâmetro Semente A Semente B
VC (%) 50 50
Taxa de semeadura (kg/ha) 10 15
Preço/kg (R$) 13,50 10,00
Área a ser formada (ha) 100 100
Custo total (R$) 13.500,00 15.000,00

A partir do exposto na tabela acima, fica entendido que o pecuarista ou agricultor não deve levar em conta somente o preço do kg das sementes que está adquirindo. Deve-se sempre ter a informação referente a taxa de semeadura recomendada para, assim, saber exatamente o seu custo por área e não o seu custo por kg; além disso, recomenda-se fazer um levantamento prévio da recomendação de SPV/ha para a forrageira que pretende-se adquirir, verificando se está condizente com a taxa de semeadura informada para o padrão que está sendo negociado.

Resumindo: sementes de baixo custo podem significar qualidade inferior em termos de germinação e pureza e risco de contaminação da área com pragas, ervas daninhas ou espécies não desejadas. Esteja sempre atento, pois algumas empresas também agem de má fé. Quando assim constatar, denuncie!

2. Saiba o que está comprando

Na escolha de suas sementes, além do preço e taxa de semeadura, deve-se atentar, também, para a variável denominada Valor Cultural (VC%).

Valor cultural

Expressa, em %, a proporção de sementes puras viáveis ou germináveis de um determinado lote de sementes. O VC% pode ser calculado da seguinte forma: VC (%) = (%Pureza x %Germinação) / 100. Os dados referentes aos graus de Pureza e Germinação são encontrados no termo ou boletim de análise fornecido no momento da compra. Quanto maior o VC%, melhor a qualidade das sementes adquiridas, maior a quantidade de sementes por grama e, consequentemente, maior o valor financeiro por kg de sementes.

Sementes com VC% muito alto possuem taxas de semeadura baixas (3 a 6 kg / ha), o que pode dificultar a distribuição das sementes na área e encarecer muito a formação. Por isso, com a ajuda de seu fornecedor, o produtor deve ter em mente quais os recursos que serão utilizados para a distribuição das sementes na área, para se chegar ao VC% ideal das que serão adquiridas, sempre levando em conta as determinações da legislação vigente, quanto aos padrões mínimos para comercialização de sementes.

No caso de sementes revestidas, ou seja, sementes incrustadas basicamente com macro e micronutrientes, é importante saber que o termo VC% (Valor Cultural) deixa de existir, embora seja um padrão geralmente elaborado com sementes de VC% a partir de 70% (conforme a forrageira e a política da empresa que a produz). A partir do momento que se transformam em sementes revestidas, o que realmente importa é a quantidade de sementes por grama ou o peso de 1.000 sementes do material que será adquirido. A partir daí, tendo esta informação em mãos, juntamente com o valor ofertado e a taxa de semeadura recomendada, facilmente se reconhece o material de melhor qualidade dentre aqueles que se está estudando adquirir.

Lembrando que há, ainda, sementes revestidas tratadas ou não com defensivos, com bioestimuladores e/ou grafite; informações estas que devem constar na embalagem. Tais tratamentos prometem:

  • Facilitar a semeadura;
  • Proporcionar maior proteção no que se refere ao ataque de pássaros, pragas e doenças;
  • Facilitar a germinação e, consequentemente, acelerar o “fechamento” da área semeada;
  • Melhorar a plantabilidade e
  • Reduzir o desgaste de equipamentos.

3. Exija o termo ou boletim de análise das sementes

Documentos de grande importância que garantem, para quem está adquirindo sementes, o grau de pureza das mesmas, sua viabilidade e a existência ou não de outras espécies em meio as de interesse. Em resumo, é a garantia do que está se comprando. Estes documentos só podem ser emitidos para produtores de sementes que tenham um cadastro junto ao MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Para ter este cadastro, o produtor é submetido a uma série de exigências como:

  • Ter seu campo de produção registrado no MAPA;
  • Receber assistência de um responsável técnico devidamente cadastrado;
  • Comprovar a origem das sementes que serão usadas no campo de produção e
  • Comercializar sementes que foram submetidas a análises em laboratórios fiscalizados pelo MAPA, entre outros.

As sementes devem ser comercializadas seguindo os padrões mínimos de exigência do Ministério da Agricultura. Todos esses fatores trazem garantias ao pecuarista de comprar uma semente de qualidade e produzida de forma legal.

4. Certifique-se da safra das sementes que irá adquirir

Sementes CapimÉ importante considerar a safra em que a semente foi produzida. Muitas vezes, encontram-se, no mercado, sementes sendo ofertadas a preços bem abaixo do comumente encontrado, o que pode ser um indicativo de tratar-se de sementes velhas, de baixa germinação. As sementes, ao longo do tempo, podem perder seu potencial de germinação pelo envelhecimento natural, conhecido também por senescência.

No entanto, sementes de uma safra anterior, se forem armazenadas em condições ideais de temperatura e umidade, mantém-se viáveis por mais tempo, condição que deve ser comprovada pela reanálise das mesmas, após o vencimento do termo de análise original. Algumas sementes como de Brachiaria humidicola cv. Humidicola ou Grama Batatais tem, inclusive, sua germinação potencializada a partir do segundo ano pós colheita.

As empresas produtoras de sementes são responsáveis por produzir e armazenar as sementes de maneira a garantir seu padrão dentro das exigências do MAPA. As empresas que comercializam sementes, obrigatoriamente, devem ter licença (RENASEM) própria para isso, e também são responsáveis pelo armazenamento adequado delas até sua comercialização. Por isso, sempre desconfie de sementes com preço muito abaixo daqueles praticados pelo mercado.

5. Faça o teste de germinação: simples e prático

O próprio produtor pode realizar um teste de germinação para verificar se a mesma está condizente com a informada no termo de análise que acompanha as sementes que adquiriu.

Veja como proceder para realizar um teste de germinação de forma bastante simples:

  • Retire uma amostra homogênea do lote de sementes que adquiriu;
  • Pegue uma quantidade de sementes que seja o suficiente para encher um copo do tipo americano até a metade;
  • Complete o copo com água e aguarde de 3-5 minutos;
  • Coloque uma camada de papel toalha ou higiênico umedecido dentro de um saco plástico transparente;
  • Retire as sementes do copo de água e coloque sobre o papel;
  • Feche o saco plástico com ar dentro;
  • Coloque em local ventilado e com iluminação (sem exposição direta ao sol);
  • A partir do 6° dia verificar a quantidade de sementes que germinaram.

Se a germinação for muito diferente daquela apresentada no certificado de análise, reclamar junto a empresa que adquiriu as sementes. Lembrando que, segundo a legislação vigente, por tratar-se de produto perecível, quem adquire sementes têm até 30 dias após o recebimento das mesmas para abrir qualquer tipo de reclamação.

Portanto, no momento da compra de suas sementes, leve em consideração estas cinco dicas antes da tomada de decisão. E ainda assim, após recebê-las, guarde todos os documentos, como nota fiscal e termo de análise. Recomenda-se, em caso de qualquer tipo de desconfiança, guardar, de forma adequada, ao menos uma embalagem das sementes que foram adquiridas durante um intervalo de 10 a 20 dias - período em que as sementes semeadas na área devem mostrar todo o potencial de germinação garantido para eventual contestação.

Confira também as 5 dicas de como formar sua pastagem com menos riscos!