Cultivo do sorgo forrageiro para a safrinha - Como fazer?

09/02/2018 11:26

A cultura do sorgo é uma das principais lavouras plantadas no Brasil. Apresenta um excelente potencial para ser utilizada na safrinha, pois se adapta a uma diversidade de ambientes e consegue produzir mesmo sob condições pouco favoráveis, quando se compara com outras culturas como milho e soja.

Como plantar sorgo forrageiro?

O sorgo pode ser plantado no sistema convencional ou no sistema de plantio direto. No preparo de solo convencional, utiliza-se uma aração e duas gradagens, sendo uma feita logo após a aração com o objetivo de reduzir os torrões e a segunda com o objetivo de nivelar a área para posterior semeadura.

Recomenda-se aplicar metade da dose de calcário antes de entrar com o arado e a outra metade da dose antes de passar a primeira grade. O sistema de semeadura convencional é recomendado para solos onde o plantio será feito pela primeira vez, ou que apresentem problemas de compactação ou fertilidade, pois assim se incorpora fertilizantes e corretivos e quebra-se a camada compactada do solo. Utiliza-se arado e subsolador no preparo do solo.

Sorgo Forrageiro SafrinhaNo plantio direto, o solo permanece sem revolvimento. É feita inicialmente a dessecação das plantas presentes na área com herbicidas, formando assim uma palhada na superfície do solo que vai permitir uma melhor infiltração de água e ajuda a manter a umidade do mesmo. O sistema de plantio direto pode ser utilizado em áreas que já tenham um histórico de aplicação deste tipo de plantio e que não apresentem problemas de fertilidade ou compactação.

Após o preparo da área, o próximo passo é a semeadura. As sementes devem ser depositadas a uma profundidade de 2 a 3 cm. Quanto mais argiloso for o solo, menor deve ser a profundidade de semeadura. É importante atentar para deposição do adubo que deve ser posicionado a uma distância de cerca de 3 cm ao lado e abaixo das sementes, para evitar queimar as mesmas. O cálculo da necessidade de sementes deve ser feito de modo a se obter um número final de plantas/ha de 120.000.

Os sorgos forrageiros são adequados tanto para a produção de silagem quanto para o corte verde, em geral atingindo altura de corte com 2 e 3 m. Além disso, existem cultivares de dupla aptidão (forragem e grãos), com altura média na faixa de 2 m. O sorgo forrageiro tem amplo potencial de uso, pois apresenta alta produtividade, se adequa bem à mecanização e pode ser utilizado para pastejo, corte direto e silagem.

Adubação do sorgo

A adubação da cultura deve ser planejada em função dos resultados da análise de solo. Atenção particular deve ser dada em áreas de sorgo forrageiro, pois grande parte dos nutrientes são extraídos na massa verde. Diferentemente do que ocorre em áreas de colheita de grãos, onde grande parte da massa verde permanece na área, o que permite a reciclagem dos nutrientes. No caso de sorgo para silagem, a adubação deve ser bem manejada para evitar o esgotamento de nutrientes na área.

No que se refere à irrigação, apesar do sorgo ser considerado tolerante à seca, ele responde muito bem quando irrigado e sua produtividade pode ser até triplicada. O uso da irrigação é uma alternativa importante para se garantir a produção na safrinha em casos de plantios mais tardios, quando as chuvas começam a ser menos frequentes. O sistema de irrigação mais utilizado para o sorgo é a aspersão.

As pragas do sorgo que merecem atenção do produtor são classificadas em:

  • pragas subterrâneas: larva-arame, bicho-bolo, pão-de-galinha e corós. Estas provocam danos na fase inicial e devem ser controladas por meio da aplicação de tratamento de sementes.
  • pragas da parte aérea: lagarta elasmo, broca da cana de açúcar, pulgão verde, lagarta do cartucho, lagarta militar, mosca do sorgo, lagarta da espiga do milho e percevejos. Estas causam danos a parte aérea, comprometendo a superfície foliar e os grãos.

Uma série de doenças pode atacar a cultura do sorgo, como as doenças causadas por bactérias: risca bacteriana e estria bacteriana; doenças causadas por fungos: helmintosporiose, podridão-do-colmo e pedúnculo, antracnose do colmo, podridão-seca-do-colmo e doença açucarada do sorgo e ainda, as viroses, como o mosaico da cana-de-açúcar.

Em geral, o controle das pragas e doenças é feito de forma preventiva, escolhendo-se variedades resistentes e mantendo-se uma boa nutrição das plantas. Outra prática recomendada é o monitoramento da cultura. Ao primeiro sinal de ocorrência de pragas ou doenças, medidas de controle devem ser tomadas para se evitar a infestação.

Quantos dias para colher o sorgo forrageiro?

Para a colheita do sorgo forrageiro, com a finalidade de se produzir ensilagem, deve-se considerar o estádio de maturação dos grãos no momento do corte. O estádio de grãos pastosos é o ponto ideal para colheita do sorgo para ensilagem. O período para colheita dura de 7 a 12 dias.

A determinação do ponto de colheita é feita de forma visual, por meio da observação dos grãos na parte média da panícula. Deve-se pressionar os grãos e constatar se os mesmos estão no estádio pastoso. Neste ponto, os grãos da base da panícula estarão na fase leitosa. Isso coincide com uma matéria seca de 30 a 35%.

Desta forma, a cultura do sorgo apresenta-se como uma opção interessante para a produção de forragem de qualidade na época seca do ano. Seu plantio é menos arriscado, quando comparado com outras culturas de grãos e pode ser destinado a produção de silagem, pastejo direto ou servido no cocho.