Panicum maximum BRS Zuri, o banquete verde!

16/11/2016 16:31

capim brs zuriEm 2014, a Embrapa lançou a gramínea Panicum Maximum cv. BRS Zuri com o objetivo de oferecer uma nova alternativa a diversificação de pastagens principalmente para os criadores da região do Cerrado e Amazônia. Há tempos os pecuaristas do Brasil demandam por soluções de alta performance adaptadas às diferentes situações que encontramos em nosso país, e tendo isto em foco, a Embrapa vem atendendo a esta carência por materiais diferenciados, lançando com certa frequência novas opções de forrageiras, como por exemplo o BRS Zuri.

Nesse sentido, este material foi desenvolvido com o intuito de enriquecer ainda mais a carteira de possibilidades de forrageiras que a Embrapa vem construindo de forma rápida, vislumbrando otimizar ainda mais a produção nacional.

A fim de compreender melhor o valor real deste material, é imprescindível citar algumas de suas particularidades. Com relação a sua morfologia, a BRS Zuri é uma cultivar cespitosa, com folhas largas e coloração verde escura. Adapta-se com facilidade aos solos de média e alta fertilidade - este é um dado bem interessante, pois comparado ao cultivar Tanzânia, cultivar considerado de alta exigência em fertilidade do solo, mesmo com menores investimentos em adubação ou implantação em áreas de fertilidade média, ainda assim o BRS Zuri tem um potencial produtivo em termos de massa (ton/ha), superior em 12% quanto comparado a mesma. Apresenta ainda certa tolerância o encharcamento, no entanto, vale ressaltar que essa forrageira obtém melhor êxito em solos drenados.

Soma-se às vantagens já comentadas, o teor protéico (15%) e produção de massa (21,8 ton MS/ha/ano) da cultivar BRS Zuri, que merece destaque principalmente quando a comparamos com cultivares de média exigência em fertilidade de solo, como o BRS Piatã e o próprio Marandu (Brachiarão), os quais apresentam potencial proteico (PB) 20% menor e produção de massa 50% inferior, o que em um ano como este de quebra de safra acentuada, tendo como consequência preços altos nunca antes vistos, define claramente qual a melhor opção de capim para determinadas situações.

A resistência às pragas é mais um fator que torna o Panicum Maximum cv. BRS Zuri , uma opção de pastagem para criadores de ponta, visto sua tolerância às cigarrinhas-das-pastagens e, principalmente, ao Bipolaris Maydis - doença fúngica que acomete o Panicum maximum cv. Tanzânia de forma bastante agressiva, mais um fator que potencializa a substituição em médio prazo deste cultivar pelo BRS Zuri.

Assim sendo, com todos esses diferenciais, fica evidente que o BRS Zuri já vem gerando um impacto bastante positivo na pecuária de corte e de leite no Brasil. Diante de tudo o que foi abordado nos parágrafos anteriores, podemos assegurar que o Panicum Maximum BRS Zuri é uma forragem essencial para o aprimoramento da pecuária de corte, pecuária de leite, ovinocaprinocultura e criação de equinos e muares.

Em relação aos sistemas de produção, a BRS Zuri pode ser utilizada para pastejo direto, silagem e fenação; finalizando, optando-se por inserir este cultivar em sua propriedade, com certeza, desde que atendida as exigências da mesma, certamente os resultados almejados serão alcançados.

Portanto, se quer formar certo, do jeito certo e começando certo, invista em boas sementes e consulte sempre um engenheiro agrônomo!